Novidades em breve

Olá pessoal, parece que o blog hibernou, não é mesmo?! rs

Peço desculpas pela falta de novos posts até o momento. Quando passamos por um complexo processo de mudanças, precisamos de tempo para nos organizarmos, nossa vida, nossas ideias, nossos objetivos.

Nesse sentido, ainda nesse processo, prometo que novos posts estão por vir, sobre um destino adorável que foi a Bélgica, e outros retornos interessantes como Porto, Paris e Lisboa, indicação de book fotográfico e, principalmente, sobre o desafio de viajar sozinha pela primeira vez.

Em breve novos posts e não se esqueçam do Instagram @deboapelomundoblog

Até lá!

Anúncios
Publicado em Viajando sozinha | Deixe um comentário

Multiculturalidade em “Made for now”, com Janet jackson e Daddy Yankee, por Viviane

Mais um clipe para viajarmos juntos!!!

“Made for now”, uma parceria de Janet Jackson com Daddy Yankee, marca o retorno da cantora em grande estilo!!! A música é contagiante e o clipe, nossa, um festival de cultura, cores… A primeira impressão é que você foi transportado para algum lugar caribenho, mas não! Simplesmente eles estão em Nova York, no Brooklin!!!

Bem, só assistindo para conferir a multiculturalidade, a dança, é incrível!!!

    

  

 

  

  

 

Publicado em Clipes encantadores, Nova York | Deixe um comentário

Roteiros personalizados e Instagram

Olá pessoal, duas novidades surgindo:

  1. Já pensou em ter um roteiro personalizado para sua viagem? Solicite orçamento e tenha um roteiro exclusivo, de acordo com suas necessidades e desejos. Mais informações na aba Roteiros personalizados;
  2. Agora também temos nosso Instagram: deboapelomundoblog. Acesse, siga, curta!

Em breve mais novidades!!!

Publicado em Dicas gerais, Instagram | Deixe um comentário

De volta ao Porto, por Viviane

Já estava louca de ansiedade para começar os posts sobre a Eurotrip de 2018! É a ansiedade de falar mais a fundo sobre o Porto, mas também de expor meu olhar reconstruído sobre Paris e, mais ainda, de dividir com vocês meu olhar apaixonado pela minha mais nova queridinha: a Bélgica! Dessa forma, os posts não vão seguir uma cronologia da viagem, mas vão surgindo aos poucos, para que vocês possam ir acompanhando a viagem como um todo simultaneamente.

A viagem foi realizada, para não perder o costume, no verão europeu, julho/2018. É onde você vê que o termômetro marcar 41ºC em Lisboa, mas a sensação de que você é um leitão num forninho chega fácil aos 45ºC… Como? Bem, pense em beber quase um litro de água durante o seu almoço, antes do prato principal, e simplesmente nem suar e nem ter vontade de fazer aquele xixi básico… pois é, Portugal estava uma fornalha.

Mas vamos voltar especificamente ao Porto rs.

Como já disse aqui (Eurotrip 2018 – Introdução: (re)conhecendo destinos, encantando-se pela primeira vez, por Viviane), ao escolher novamente a TAP, decidimos ficar no Porto dessa vez, ao invés de Lisboa. Na data escolhida tinha vôo direto GIG-OPO, mas não apareceu essa opção no ato da compra. Aí não teve jeito, tivemos que fazer escala em Lisboa (a ponte aérea Lisboa-Porto conta com um vôo por hora). Com um pequeno atraso, chegou o nosso teco-teco: sim, um avião teco-teco, com aquelas hélices expostas, que lembravam muito um pirocóptero  – tá bom, talvez não seja do seu tempo, ou do seu país. Então, vou dizer que era um teco-teco que se Santos Dumont tivesse visto, acharia  a mais perfeita evolução de seu 14 Bis, sério mesmo. O barulho era infernal, e o micro lanche, considerando um vôo de ponte aérea com 50 minutos de duração, era digno do emblemático meio de transporte: um pastel de nata gelado, acompanhado de um suco de 100ml, em temperatura ambiente.

Aventura vivenciada em sua mais profunda experiência, chegamos a cidade invicta. Ah, que beleza. O aeroporto do Porto (estranho né?rs) nos pareceu pequeno e saímos muito rapidamente dele. Num posto de atendimento ao turista, compramos nossos cartões Andante para 3 dias – tempo de permanência na cidade. Esse cartão dá direito ao metro, autocarro (ônibus) e comboio (trem), exceto bondes e funiculares. O metro (sem acento) sai do OPO e vai direto ao centro da cidade. Aliás, esse foi nosso primeiro encanto com a cidade: o transporte público.

O metro do Porto é extremamente limpo, bem cuidado e eficiente. O único cuidado é sempre validar o bilhete nas estações antes de entrar no metro, mas também, e isso nos foi uma novidade, todas as vezes que for mudar de linha.

  

  

Pressione este botão caso a porta não abra automaticamente

O hotel que reservamos é o Lounge Inn, na verdade uma guest house (que terá um post só seu), que fica perto da Estação Marques (Linha D), a 4 paradas da Estação São Bento. Essa é a linha que vai para Vila Nova de Gaia, sentido Hospital São João. Como alugamos um studio completo, fizemos algumas comprinhas num mercado bem próximo e descansamos um pouco. Antes, paramos para um lanche numa lanchonete bem agradável, em frente ao hotel: O Geladinho (também ganhará um post só dela).

Praça da Estação Marques

Lanche no O Geladinho

Com a facilidade de transporte público, ficava fácil chegar a qualquer ponto da cidade, mas como de praxe, resolvemos fazer uma breve caminhada até o centro, pela famosa Rua de Santa Catarina. Bem, até então, léguas e léguas, não conseguia ver o porquê de tanta fama, só que mais próximo ao Café Majestic a rua vira um grande calçadão, com diversas lojas. Estávamos bem perto do Mercado do Bolhão, famoso pela grande oferta de peixes frescos,  e fomos ver o prédio original, que estava sendo reformado. Na mesma rua, numa breve subida, está o prédio que abriga temporariamente o mercado, mas não tivemos interesse de entrar, pois parceia mais um shopping…

Ao fundo, a direita, o prédio que abriga temporariamente o Mercado do Bolháo

Continuamos andando pela cidade, que tem uma arquitetura linda!

Passamos pela Praça da Batalha, quando decidimos ver a Ponte Luis I, só que dessa vez queríamos caminhar na parte superior, por onde passa o metro e de onde se tem uma bela vista da Ribeira e Vila Nova de Gaia.

Praça da Batalha

A Ponte Luis I

A vista da ponte…

A Ribeira

Passeio concluído, retornamos ao hotel para descansarmos da viagem e ver as possibilidades de passeios nos dias seguintes.

Primeiras impressões: na verdade, segundas intenções, mas no sentido menos malicioso rs. Mas foram as melhores possíveis, só imaginando que seria uma excelente estadia.

Fiquei chateada: não com o Porto, só fiquei foi “assustada” com o avião que a TAP designou para essa ponte aérea…

Vale a pena: utilizar o transporte público no Porto, de excelente qualidade e de ligação direta ao aeroporto (OPO).

De boa: ficar hospedado próximo a qualquer estação do metro.

Publicado em Lisboa, Pelo mundo, Porto, Portugal | Deixe um comentário

Eurotrip 2018 – Introdução: (re)conhecendo destinos, encantando-se pela primeira vez, por Viviane

Estava ansiosa por começar a postar as notícias da nossa Eurotrip de 2018. Foram dias de encanto com novas culturas, mas também de reviver experiências em lugares antes visitados, com mais apreço e com um tempo mínimo desejado.

A organização da viagem ocorreu em poucos dias, embora a pesquisa por passagens mais “adequadas ao bolso” estava sendo realizada desde dezembro/2017. Com poucas oscilações de preços ocorridas desde então, principalmente tendo em vista o período de início das férias europeias, optamos mais uma vez pela TAP. 

A única certeza da viagem era o destino mais desejado: Bélgica, com base em Bruxelas.

Em princípio, desejamos conhecer também Amsterdã, e por isso pensamos em viajar pela KLM, mas as tarifas e horários não nos agradaram, além dos altos valores para hospedagem na cidade. Bem, mudando de cia aérea, mudamos também o itinerário. Excluímos Amsterdã (fica para outro momento) e incluímos o Porto – dessa vez, decidimos dar uma chance para a cidade invicta, visto que sempre passamos por Lisboa, e pela TAP a passagem sempre fica mais barata com stopver em algum desses dois destinos. Importante: evite comprar trechos separados, porque dessa forma, caso perca alguma conexão, a responsabilidade é sua e não da cia aérea – aconteceu conosco e recebemos todo o suporte necessário.

Com Porto e Bruxelas, surgiu Paris. Como assim? Já que não tínhamos dado a devida atenção a cidade luz, pensamos que essa seria uma boa oportunidade de retorno, à medida que apenas 1h22 de trem separam Bruxelas Midi – Paris Nord.

Aprendendo com a experiência que o ideal é o mínimo de três dias para cada destino, bastava organizar o itinerário. As pesquisas caminharam na seguinte direção:

  1. Chegue por uma cidade e retorne por outra, em geral, considerando os extremos dos destinos. Fizemos isso pela primeira vez e deu super certo: chegamos por Roma, fomos para Florença e retornamos por Veneza. A opção multidestinos resolve o caso, evitando que você se desloque desnecessariamente para o aeroporto de origem;

  2. Pesquise várias opções de itinerário de chegada e saída, invertendo-os, para verificar a opção mais em conta financeiramente;

  3. Lembre-se de suas expectativas, e isso é uma armadilha rs. De nada adianta estar em Genebra com a cabeça em Zurique. É importante curtir cada minuto de sua viagem, cada destino. Então, minha dica é: atenda aos seus desejos e expectativas, e tente reservar para o término da viagem um destino que você imagine ser um excelente gran finale. Pode até não ocorrer, mas se rolar será ótimo!

  4. Reforçando: tente reservar o mínimo de três dias para cada destino, que acabarão transformando-se em dois, descontando os dias de chegada e saída. Existem algumas exceções como, por exemplo, em minha humilde opinião, a primeira vez em Paris (mínimo cinco dias) ou Roma (mínimo quatro dias), mas tudo vai depender de sua disponibilidade de tempo e dinheiro…

  5. Verifique as possibilidades de deslocamento entre as grandes cidades: trem, ônibus ou avião. Tenha em mente que imprevistos sempre acontecem: sempre escolho o trem em trajetos de até 3h, pela praticidade, porém tivemos um problema com trens para Alemanha, que conto posteriormente aqui no blog;Se for para alegrar o seu coração, não se intimide em fazer um maraturismo, desde que moderado. A ideia louca de “conhecer” dez cidades em doze dias é digno de qualquer maratonista, e no final das contas pode ser um cansaço só. Imagina um único dia no Rio de Janeiro? Mas se o seu desejo é subir ao Cristo Redentor, numa breve passagem pela cidade maravilhosa, por que não? Passamos um dia em Londres em 2014 e vi o que realmente queria, contrariando todas as recomendações dos blogs de viagens por aí – me arrependeria muito era de estar tão perto e não ter ido. A correria de um dia de viagem rende sempre boas histórias…

  6. Tendo em mente estes e outros elementos, o roteiro estabelecido foi:

    1. Porto – três dias

    2. Paris – três dias

    3. Bélgica – cinco dias (com Brugge, Bruxelles, Gent e Leuven)

    4. Lisboa – um dia – bônus TAP pela perda da conexão, devido ao atraso de um voo

    Essa definição levou em consideração que, chegando pelo Porto, as passagens ficariam mais baratas, e como já tínhamos passado um dia por lá, sabíamos que seria um destino acertado. Do Porto para Paris optamos pelo deslocamento em avião. Reservamos a Bélgica para o final da viagem, pela expectativa de que seria um belo destino, e pela oferta de voos de retorno, sendo o deslocamento Paris-Bruxelas realizado de trem – prático, rápido e confortável.

    Destaco como um ponto forte da viagem as pessoas encantadoras que conhecemos pelo caminho, em especial os nossos companheiros brasileiros: Eder (Paris) e Emílio (Bruxelas).

     

    Então pessoal, acompanhe os (quase infinitos) posts que estão chegando por aqui! Em breve, muitas histórias e fotos para vocês!

Eder

Emílio e Margot

 

Publicado em Bélgica, Brugge, Bruxelas, França, Gent, Leuven, Lisboa, Paris, Pelo mundo, Porto, Portugal, Só história boa! | 1 Comentário

Revisitar destinos: uma deliciosa sensação, por Viviane

Para muitos, pode parecer loucura gastar tempo e dinheiro indo para “o mesmo lugar”. Outros vão dizer que é  um verdadeiro desperdício, pois o mundo é  enorme e está pronto para ser explorado, e de fato é verdade. O que penso é  que como a realidade está sempre em movimento, os lugares, costumes e nós mesmos também mudamos constantemente.  O modo de ver a vida também. E vamos ser sinceros: ninguém retorna para visitar um lugar sem, no mínimo, criar novas expectativas.

Aprendi algumas coisas com a experiência viajante: reservar o mínimo de três dias para cada  destino, permitir-se estar com a mente aberta, procurar compreender a cultura de cada povo, fugir dos roteiros pré-determinados… Lembro até hoje quando fui pegar um trem em Duque de Caxias e pacientemente fiquei parada até que todos saíssem do vagão,  quando de repente me dei conta que não estava mais em Londres, e que se não entrasse logo o trem partiria sem mim – isso não quer dizer que somos  “mal educados”, mas que no mínimo nossa forma de acesso a bens e serviços ocorre de forma bem diversa de outros países,  dados diferentes fatores e níveis perversos de desigualdade social que vivenciamos.

Pois bem, quando viajei pela primeira vez para a Europa, minha expectativa era curtir a Itália ao máximo, e então surgiu a ideia de ir a França ver os campos de lavanda na Provence. E uma coisa puxa a outra e lá estava eu e meu querido em Paris e Londres. O fato é  que nunca me interessei por Paris e fui com a mente bem fechada ao novo. Não deu outra: a cada parisiense mal humorado que encontrava pensava: que droga, poderia estar na Itália! E assim, mal vi a torre, achei tudo um saco,  peguei chuva em Montmartre e fiquei louca da vida, e o meu maior pecado: passei pela Shakespeare and Co e nem sequer a vi. Resultado: passados alguns meses, não via a hora de voltar e revisitar aquele lugar… O desperdício foi não aproveitar a primeira vez!

Hoje, com um pouco mais de experiência, acredito que aprendi a curtir mais os destinos que seleciono, pensando em não praticar tanto o maraturismo (ainda não o aboli rs)…

E você, costuma excluir os destinos já visitados? Dê sua opinião aqui nos comentários do blog!

Publicado em Dicas gerais, Viagens de trem | Deixe um comentário

Volta ao mundo em um clipe: Talk, com Why don’t we, por Viviane

Você deseja, sonha, delira só de pensar em viajar pela Europa? Bem, você pode sonhar mais um pouco assistindo o clipe Talk, da boy band Why don’t we.

A base do clipe é  nada menos que Paris!!! Os rapazes mostram outros locais europeus de sua turnê,  como Berlim, Milão, Londres, Amsterdã,  Bruxelas (até o Manneken Pis faz ponta no clipe rs), Madri e tantos outros.

  

  

  

Bruxelas com sua linda Grand Place e seu Manneken Pis! Ah, Bélgica…

Porém,  o destaque para a cidade luz está presente principalmente em três grandes cenários:

1. Ponte Bir-Hakeim: essa lindeza parisiense, um dos locais que oferece uma bela vista da Torre Eiffel . Uma estrutura linda, onde a linha 5 do metrô passa por cima e a parte de baixo é disputadíssima por fotógrafos e seus clientes. Para quem já assistiu o filme A Origem, com Leonardo di Caprio, além de várias comédias francesas, sabe bem que lugar é esse…

2. Pantheon: aparece no clipe com um dos rapazes deslizando ao lado e no final do clipe. Pertinho do Jardim de Luxemburgo e da Sorbonne, é onde estão os restos mortais de Rousseau, Voltaire, Victor Hugo… Já escrevi sobre ele aqui: Nosso segundo (e longo) dia em Paris – parte 1, por Viviane

3. Igreja St. Etienne du Mont: uma igrejinha fofa que fica atrás do Pantheon, que quem é fã do filme Meia Noite em Paris conhece bem – é em frente as suas escadarias que o personagem interpretado por Owen Wilson espera o carro com os “coleguinhas” para retornar ao passado.

Então  não perca tempo, aperte o play e comece a viajar!

Publicado em Clipes encantadores, França, Paris, Pelo mundo | Deixe um comentário

Hospedagem em Cunha: Pousada Recanto das Girafas, por Viviane

Cunha é um município muito agradável, conhecido como a cidade das cerâmicas. Além de suas lavandas (Lavandas em Cunha -SP, por Viviane) e  sua Pedra da Macela, não podemos nos esquecer da hospedagem. Boas opções não faltam, mas escolhemos uma que muito nos agradou e não nos arrependemos: Pousada Recanto das Girafas!

A localização é ótima e a atenção dos proprietários realmente é um diferencial.

  

Possuem diversos tipos de acomodações, todas confortáveis, com produtos de qualidade e bem silenciosas. Fomos no inverno e ficamos com medo de sentir frio, mas mesmo com baixas temperaturas as noites foram agradabilíssimas. Possuem garagem.

 

 

O café da manhã é farto, tudo fresquinho. Possuem piscina, mas com o frio que estava abrimos mão desse mimo rs.

 

 

 

Eles também possuem um ateliê de cerâmica, que não foge a fama da cidade.

  

Recomendamos muito a pousada. E antes que nos pergunte, assim como um casal que encontramos na rua, a pousada não possui nenhuma girafa, ok?!

Publicado em Cunha, Região Sudeste, São Paulo, Viagens de carro | Deixe um comentário

Lavandas em Cunha -SP, por Viviane

Olá pessoal! A temporada de lavandas no sul da França já terminou esse ano, mas vocês sabiam que nós, brasileiros, temos a oportunidade de encontrar lavandas por aqui mesmo, e mais que isso, o ano inteiro? Em locais mais frios é possível, como por exemplo no Le Jardin, em Gramado – RS (Le Jardin: um pouco de lavandas em Gramado. por Viviane).

Mas como algumas pessoas já sabem, pertinho de Guaratinguetá, temos o município de Cunha, que também faz divisa com Paraty – já ouviram falar da Estrada Pataty-Cunha? Pela Rodovia Presidente Dutra, entrando por Guaratinguetá (SP), em aproximadamente  1h de carro chegamos ao paraíso das lavandas brasileiras!

O município tem outras atrações ligadas a natureza, mas realmente as lavandas são destaques. E existem dois espaços para contemplá-las: o Lavandário e o Contemplário. Não fomos ao Lavandário, que tem entrada paga e é mais “famoso”. Fomos ao Contemplário, que tem entrada gratuita e é um pouco menor, mas simplesmente lindo!

No km 61,5 da Rodovia Vice Prefeito Salvador Pacetti, lado direito sentido Paraty, uma placa avisa a entrada para o Contemplario. Bem, é uma boa subidinha em estrada de terra*, que acredito que em dias de chuva não deve ser muito agradável.

  

Logo na entrada tem um espaço para estacionar os carros – sim, carro é  o ideal. Um funcionário recebe os visitantes, apresentando o espaço. Ao lado direito, tem a lojinha com produtos de lavanda, lanches e banheiro.

  

  

A bela vista da lojinha

A bela cerejeira dá as boas vindas aos visitantes!

Como a região é  de serra, venta bastante e o cheiro das lavandas é constante no ar, pura magia…

  

  

Em alguns campos é permitido andar pelas lavandas, em outros não.  Também existem espaços para piquenique e outras plantações,  como a de alecrim.

  

Se quiser continuar a “mágica”, eles ainda possuem um chalé com cozinha para hospedagem, com  uma vista incrível para esse cenário roxinho de felicidade perfumada,  que tal?

  

O Contemplario funciona de 10h às 18h, de quinta a segunda, fecha as terças e quartas. Não perca tempo e vá curtir essa incrível atração da “cidade das cerâmicas”!

*Essa viagem foi realizada em julho de 2017. Segundo informações do Contemplário, a estrada foi pavimentada com bloquetes de cimento.

 

 

 

 

Publicado em Cunha, Lavandas, Pelo Brasil, Região Sudeste, São Paulo, Viagens de carro | 1 Comentário

Um dia pelo Porto – parte 2: Torre dos Clérigos e Catedral/Sé do Porto, por Viviane

Continuando os relatos sobre nossa breve passagem pelo Porto, vamos apresentar como foi nossa visita a dois símbolos da cidade: a Torre dos Clérigos e a Catedral/Sé.

Ao chegar na Torre dos Clérigos, compramos ingressos combinados com a visita a Catedral, assim nos pouparia tempo numa nova bilheteria.

Igreja e Torre dos Clérigos ao fundo

Na verdade, não é apenas a visita a Torre, mas também a sua Igreja e a casa da Irmandade (uma espécie de museu).

A visita começa pela Igreja, depois pela Casa da Irmandade e por último a Torre. Como fomos em agosto, alto verão europeu, as filas eram enormes e aguardamos bastante tempo.

A Igreja, construída em granito, teve sua obra iniciada em 1732.

  

Após uma breve passada pela Casa da Irmandade, fomos para a tão esperada visita a Torre…

Casa da Irmandade

Bem, o que dizer? Prepare-se para os 240 degraus em espiral, numa fila que quase não anda. A organização não é lá grande coisa: tem um momento em que a escada afunila de uma forma, que fica difícil você não se tornar “um corpo só’ com quem está no sentido contrário. Sim, isso mesmo, as pessoas sobem e descem ao mesmo tempo, terrível.

A vista lá de cima ao menos é compensadora, o que não diminui a tensão que se inicia com a descida… São aquelas coisas que só se faz uma vez na vida…

Após um belo exercício de elasticidade, vamos a nossa segunda visita religiosa na cidade: a  Sé/Catedral do Porto.

Como já havíamos comprado as entradas na Torre dos Clérigos, não enfrentamos fila. Nossa entrada foi pelo belíssimo claustro, em estilo gótico.

Algo que impressiona é o painel imenso de azulejos! É nesse momento que uma equipe da catedral pede para você posicionar-se em frente a ele, para uma foto. Ao final da visita, eles te oferecem a foto tamanho 20X25, com um livro da cidade e um CD com músicas lusitanas e imagens portuenses, por  20 euros.

Quem nunca?! rs

A fachada também é linda!

Só lembrando que a Catedral fica numa breve subidinha, mas nada cansativa.

E aí, gostou dos locais que visitamos? Ainda existem muitas outras atrações na cidade, mas que ficaram para uma próxima vez! Recomento muito a visita ao Porto, uma cidade realmente encantadora.

Publicado em Pelo mundo, Porto, Portugal | Deixe um comentário